Como matar um fantasma?

Esse é um título de um roteiro que está sendo produzido por Milson Marins, amigo e parceiro da P.A.D.A., para o site Recife Assombrado.

Nessa história, vemos um homem frio e calculista tentando descobrir uma forma de se livrar de um fantasma que o persegue aonde quer que vá: O da sua esposa morta. O Detalhe mortal é que foi ele próprio quem matou a esposa.

Uma coisa legal nessa história é que ela é toda contada pelo personagem principal a um pai de santo que ele espera que lhe ajude, porém, ele conta a história como se fosse uma pessoa boa mas as imagens que mostramos ao leitor é justamente o contrário.

Isto levanta uma discussão antiga na qual se defende que você colocar um texto narrativo num quadro e mostrar exatamente o que tem na narração. Ou seja, seria uma redundância e uma das duas seria desnecessária (Ou o texto ou a imagem).

Veja um exemplo disso na imagem abaixo

Trecho de uma hq do grupo Excalibur, Escrita por Chris Claremont e desenhada por Alan Davis onde o texto narrativo repete exatamente o que a cena já mostra.

Esse tipo de redundância é muito comum (E até certo ponto perdoável) quando o personagem conta uma história ou uma lembrança para outro personagem e, para evitar que a história fique cansativa só mostrando cabeças conversando, acrescentamos imagens do que está sendo narrado pelo personagem.

Mas, na maioria das vezes, procure evitar esse subterfúgio. Tente procurar soluções onde a imagem fale por si e use a narração para incluir pontos de vistas e sensações que não (algumas poucas vezes) podem ser capturadas no desenho.

 

E, agora, uma amostra de uma das páginas da história COMO MATAR UM FANTASMA? escrita por mim e desenhada por MILSON MARINS.

 

Ah, só para lembrar, este domingo a tarde estarei no paço alfândega participando do evento o dia da toalha junto com a P.A.D.A.

P.A.D.A. e o Dia do orgulho Nerd

Este domingo a P.A.D.A. estará no paço alfândega participando do Dia da Toalha ou o Dia do orgulho nerd (que originalmente se comemora todo dia 25 de maio).

Essa data foi criada por que marca o lançamento do primeiro filme da série guerras nas estrelas no cinema. E o nome é uma referência ao livro O guia do mochileiro das galáxias que pregava que, quando o mundo estiver para acabar, tudo o que você irá precisar é de uma toalha.

A P.A.D.A. estará fazendo palestras, dando oficinas e apresentando seus trabalhos. E eu também estarei lá.

 

Troféu P.A.D.A. de incentivo aos quadrinhos Pernambucanos

Olá meus amigos,

Sei que ando meio sumido mas não estou parado.  Esta semana que passou, consegui aprovar a última versão do TROFÉU P.A.D.A. de incentivos aos quadrinhos Pernambucanos. O regulamento e os prazos já estão no ar e você pode conferir aqui.

Este ano eu estarei encabeçando a organização do evento que está previsto para agosto.

O troféu P.A.D.A. ainda é uma premiação onde os artistas de fora do estado dão mais interesse do que os de dentro do estado. E a P.A.D.A. tem todo o interesse do mundo em que esses artistas se inscrevam pois, além de divulgar o trabalho deles, eles ainda podem ser agraciados com o prêmio.

Eu já ganhei o prêmio várias vezes e posso afirmar: meu trabalho foi divulgado em várias partes do Brasil, se tornou mais conhecido e, não bastasse tudo isso, ainda me deu mais disposição de continuar trabalhando com quadrinhos. Eu acho que é por causa disso que ele é um INCENTIVO, não é mesmo?

Bom, vou ficando por aqui.

Se você é um artista e seu trabalho foi publicado em algum veículo Pernambucano e você se enquadra nas regras da premiação, se ligue nas condições e prazos para inscrição e envio de material. Se não, ajude avisando a um amgo que se enquadre nas regras ou, simplesmente, divulgando a premiação.

Fui!

Power point com oficina de roteiro e outras mini-novidades

Semana passada eu postei no scribd um power point com a oficina de roteiro que dei nos últimos eventos que participei. O scribd bagunçou um pouco a formatação mas ainda dá pra aproveitar muita coisa. Não é exatamente uma aula de como escrever roteiros. É mais ou menos uma introdução à construção de roteiros para hqs. Você pode baixar o arquivo aqui ou clicando na imagem abaixo.

Outra micro-novidade (mas que eu já anunciei discretamente no twitter) é que ontem terminei mais um roteiro para o site Recife Assombrado (Que deve estrear no segundo semestre de 2012). A história se chama O TESOURO DA JUDIA e se baseia na lenda da Judia Branca Dias que foi perseguida pela inquisição pela prática do Judaísmo. Conta a lenda que ela, antes de ser capturada escondeu uma fortuna em prataria nos arredores de sua casa que situava-se às margens do açude do Prata. A casa existe até hoje e fica perto do zoológico de dois irmãos e faz parte de uma reserva florestal. Abaixo uma das imagens da casa “mal-assombrada” pelo espírito de Branca Dias…

Antiga morada da Judia Branca Dias, às margens do açude do Prata.

O grande barato em escrever sobre coisas de nossa região é que a gente conhece muito mais da nossa rica cultura, foge do lugar comum (Vampiros, lobisomens, franksteins, zumbis, etc) e meio que se renova dentro do gênero.

É isso aí, gente. Por enquanto é só.

 

Semana passada eu postei no scribd um power point com a oficina de roteiro que dei nos últimos eventos que participei. O scribd bagunçou um pouco a formatação mas ainda dá pra aproveitar muita coisa. Não é exatamente uma aula de como escrever roteiros. É mais ou menos uma introdução à construção de roteiros para hqs. Você pode baixar o arquivo aqui.