Johnny & Mary (Página 3)

Detalhe - Johnny and Mary (Por Leo S e Marcus Rosado) Pag 03

Detalhe – Johnny and Mary (Por Leo S e Marcus Rosado) Pag 03

Após serem traídos por seus comparsas, Johnny e Mary tem que empreender uma fuga desesperada para escapar da morte.

Com roteiro meu e arte de  Marcus Rosadoesta hq foi intitulada de “Johnny & Mary” e  é atualizada semanalmente. Para lê-la, clique aqui. Por favor, comentem.

Esta edição de Clássicos revisitados está esgotada mas, para conhecer e adquirir outros números desta publicação (Antes que também se esgotem) , clique nos links abaixo:

Clássicos Revisitados 2 – Monstros Noir

Clássicos Revisitados 3 – ROmance & Terror

Clássicos Revisitados 4 –  História sci-fi

Nova Hq Online: Johnny & Mary (Páginas 1 e 2)

Detalhe - Johnny and Mary (Por Leo S e Marcus Rosado) Pag 02

Detalhe – Johnny and Mary (Por Leo Santana e Marcus Rosado) Pag 02

E começamos a publicação de mais uma hq Online. Desta vez uma de terror bem pesado (Do tipo proibido para menores de 18 anos) com palavrões, mortes cruéis e…sexo!

A história é uma desconstrução da história infantil de João e Maria trazendo para o mundo dos gangsters dos anos 30 e foi publicada originalmente na edição 1 de Clássicos Revisitados que tinha como tema misturar contos infantis com a Máfia.

Com roteiro meu e arte de  Marcus Rosado, esta hq foi intitulada de “Johnny & Mary” e  é atualizada semanalmente. Para lê-la, clique aqui. Por favor, comentem.

Esta edição de Clássicos revisitados está esgotada mas, para conhecer e adquirir outros números desta publicação (Antes que também se esgotem) , clique nos links abaixo:

Clássicos Revisitados 2 – Monstros Noir

Clássicos Revisitados 3 – ROmance & Terror

Clássicos Revisitados 4 –  História sci-fi

Príncipe Monty em busca do cálice valente

Na última semana dei uma parada no projeto “Diários Italianos – O Brasil na Segunda Guerra Mundial” para dar atenção à um “mashup” que tenho que fazer.

O termo “Mashup” significa misturar e é justamente isto o que se propõe o editor e xará Leonardo Melo quando trouxe à vida a publicação “Clássicos revisitados”. A cada edição ele traz um tema duplo misturado que faz com que os roteiristas possam “enlouquecer” nas propostas apresentadas.

Já passaram pela publicação os temas “Máfia x lendas infantis”, “literatura noir x monstros da literatura”, “terror x lendas românticas” e “fatos históricos x clássicos da ficção científica” e eu tive a honra e o prazer de participar de quase todas elas.  A mais nova edição da publicação que está em produção propõe algo novo misturando “clássicos do cinema x clássicos dos quadrinhos” e o convite que recebi foi o de viajar na maionese fazendo um “mashup” entre o Príncipe Valente de Hal Foster e o filme Monty Python em busca do cálice sagrado.

O Príncipe Valente era uma tira de jornal criada por Hal Foster em 1937 focada nas aventuras de um jovem na época do Rei Arthur. O incrível realismo da arte de Hal Foster e a ação e aventura pelas quais passavam o Príncipe Valente arrebataram fãs no mundo todo até hoje.

Já o Monty Python era um grupo de comediantes ingleses da televisão que foi ao ar pela primeira vez em 1969. O humor (muitas vezes non-sense mas sempre inteligente) do grupo fez com que eles ficassem famosos no mundo todo através de shows e, principalmente, filmes. Além de “Monty Python em busca do Cálice Sagrado”, o grupo também lançou outro filme bastante engraçado e emblemático na época chamado “A vida de Brian” onde conta uma história paralela à história de Jesus Cristo.

Por aí vocês já imaginam a complicação em misturar todo o realismo de Hal Foster com o show de absurdos do Monty Python. Mas, eu acredito que um verdadeiro artista é aquele que, sempre que pode, tenta sair de sua zona de conforto. Isto é o que fortalece o trabalho de um artista e o permite evoluir na sua arte.

Nos últimos dias tenho me debruçado sobre estas duas fontes para começar o trabalho de escrever o roteiro. Ainda não sei o que vai sair daí mas espero que seja algo bem divertido para mim e para que ler a hq.

Clássicos Revisitados e Novas Amazonas

Clássicos Revisitados

A Semana foi difícil pra mim com os trabalhos do mundo real mas, finalmente, chegamos à sexta-feira com novidades no mundo mágico dos quadrinhos.

Em primeiro lugar, temos a alegria de anunciar o lançamento de Clássicos Revisitados #4 que misturou fatos históricos com clássicos da ficção. Eu tive o prazer de ser uma vez mais convidado pelo editor-roteirista Leo Melo (participei da edição #3) e participo, juntamente com E. Thomaz assinando a arte, com a hq “O paradoxo espaço-temporal de George”, onde um viajante do tempo vai parar nas praias da Normandia, em pleno dia “D” (Na operação que ficou historicamente conhecida como operação Overlord). A edição tem 160 páginas, conta a participação de diversos artistas nacionais e a capa ficou por conta do mestre Antônio Eder.

Abaixo, a capa da nova edição de Clássicos Revisitados e a página 2 da hq que produzimos para esta edição (Já publicamos a página 1 aqui).

classicos-revisitados-4

Clássicos Revisitados #4

o-paradoxo-espaco-temporal-de-george-por-leo-santana-e-e-thomaz-pag-02-1024px

O Paradoxo Espaço-Temporal de George (Por Leo Santana e E. Thomaz) Página 02

As Novas Amazonas

Outra novidade legal são as prévias da próxima hq dAs Novas Amazonas que estão sendo produzidas por Daniel Brandão com o título “Apenas negócios”. Abaixo vocês podem conferir mais algumas imagens.

apenas-negociospor-leo-santana-e-daniel-brandao-pag-01-sketch

Apenas Negócios(Por Leo Santana e Daniel Brandão) Pag 01-sketch

apenas-negociospor-leo-santana-e-daniel-brandao-pag-02-quadro-02

Apenas Negócios(Por Leo Santana e Daniel Brandão) Pag 02-quadro 02

apenas-negociospor-leo-santana-e-daniel-brandao-pag-02-quadro-04

Apenas Negócios(Por Leo Santana e Daniel Brandão) Pag 02-quadro 04

 

O paradoxo espaço-temporal de Geroge, página 01

“O paradoxo espaço-temporal de George” é uma hq de ficção científica que foi criada a partir de um convite do meu xará, Leo Melo, criador da série Undeadman, da revista/site Quadrinhópole e da loja virtual Gibistore, para participar da quarta edição da revista Clássicos Revisitados (Eu já havia participado da primeira e da terceira edição). O tema proposto para a edição foi o de misturar FICÇÃO CIENTÍFICA com FATOS HISTÓRICOS  e, no meu caso, os elementos propostos foram “Máquina do Tempo x Dia D”

O roteiro que construí conta a história de George, um viajante do tempo que vai parar nas praias da Normandia, ao norte da França, no dia 6 de junho de 1944, durante o maior desembarque de aliados da segunda guerra mundial e que marca o início da vitória sobre os nazistas. Num dos maiores massacres da segunda guerra mundial, George tem que arranjar uma forma de se manter vivo e, ao mesmo tempo, não interferir no frágil paradoxo temporal da história.

A arte, mais uma vez, ficou por conta do espetacular E. Thomaz, um dos parceiros mais talentosos, confiáveis e produtivos que tive nos últimos anos. Em 1 ano e meio já produzimos juntos 3 hqs: “O Assassino da Vitória-Régia”, “FDP 3: A Morte do Homem Extraordinário” e, agora “O paradoxo espaço-temporal de George”.

Abaixo, apresento, com orgulho, a primeira página da hq. Espero que gostem e comentem!

O PARADOXO ESPÇAO-TEMPORAL DE GEORGE - página 01

O Paradoxo Espaço-Temporal de George (Por Leo Santana e E. Thomaz) Pag 01

Clássicos Revisitados – Vol. 3: Romance & Terror

capa_classicos3-600x600

Capa Clássicos Revisitados- Volume 3: Romance & Terror

Recebi esta semana a edição de Clássicos Revisitados – Vol. 3: Romance & Terror, revista editada pelo xará Leo Melo (Criador do Undeadman e do selo Quadrinhópole). A revista está belíssima e merece todos os parabéns. A cada edição, Leo Melo consegue trazer um projeto cada vez mais profissional e maduro.

Neste volume, lendas e fábulas foram mescladas com terror e suspense por vários autores trazendo as histórias da Bela Adormecida, Sansão e Dalila, a Pequena Sereia e muitas outras como você jamais imaginou.

Tive a honra de participar desta edição com a reinterpretação da única lenda brasileira que entrou na edição: A Lenda da Vitória-Régia. Na história original, uma índia se suicida para poder ficar perto da lua, a deusa Jaci. Na minha releitura, intitulada O Assassino da Vitória-Régia, ilustrada pelo E. Thomaz, a história, que se passa em Belém do Pará, traz uma policial descendente de índios que, durante uma caçada a um serial killer, descobre a verdade por trás da lenda e tem que provar seu valor para a deusa Jaci.

classicos8-600x600

O Assassino da Vitória Régia, por Leo Santana e E. Thomaz, Página 1

Participam da edição os seguintes autores: Leonardo Melo, Paco Steinberg, Carlos Machado, Carol Sakura, Matheus Moura, Leonardo Santana, Antonio Eder, Walkir Fernandes, Paulo Kielwagen, João Ferreira, Thyago Macson, Joniel Santos, Emmanuel Thomaz e Laudo.

Clássicos Revisitados – Vol. 3: Romance & Terror é uma das melhores edições do ano e pode ser adquirida pelo preço de R$ 30,00 aqui: http://www.gibistore.com/loja/classicos-revisitados-volume3

Quadrinhos nacionais em locações nacionais

Escrevemos quadrinhos nacionais que se passam em cidades e locações genéricas quando poderíamos fixar essas locações em pontos reais existentes. Parece uma grande bobagem se preocupar com isso mas a verdade é que ainda fazemos muitos quadrinhos sem nos preocuparmos em criarmos locações reais por este imenso Brasil afora.

Tenho procurado pesquisar localidades para adequar minhas histórias em lugares que de fato existam e a minha mais recente incursão nessa área foi na hq O Assassino da Vitória Régia, roteiro que escrevi e que o Emmanuel Thomaz tão brilhantemente ilustrou. A história se passa, principalmente, na lagoa do Japiim, em Manaus, Amazonas. Eu nunca fui a Manaus mas isto não me impediu de pesquisar sobre o local e inserir minha história lá. Não é preciso de muito esforço e a internet pode ajudar e muito nisso.

Eu não sei quanto a vocês mas eu sempre fico maravilhado quando pego uma hq nacional e posso reconhecer uma localidade nacional. Acho enriquecedor para a história. Abaixo vocês podem comparar uma foto da Lagoa do Japiim e uma prévia da página 01 da hq O Assassino da Vitória Régia que deverá ser publicada na edição 3 da coletânea Clássicos Revisitados, do xará Leo Melo.

E vocês? O que vocês acham disso tudo?

Lagoa do Japiim é local de caminhada da comunidade local (Arquivo A Crítica)

Lagoa do Japiim é local de caminhada da comunidade local (Arquivo A Crítica)

O assassino da vitória régia (Por Leo Santana e Emmanuel Thomaz) Pag 01

O assassino da vitória régia (Por Leo Santana e Emmanuel Thomaz) Pag 01